quinta-feira, 30 de novembro de 2017

NÃO ENCARO PAU GROSSO


Tentarei ser o mais breve possível. Conheci o Tony no app no dia 26 de agosto e marcamos de nos encontrar no dia seguinte, que era um domingo. Trocamos fotos e tudo ficou certo para as 17h00, depois ele remarcou para uma hora depois e eu aceitei afinal eu estava louco pra transar né, chegou o dia e pra variar, cheguei atrasado novamente. O local era perto, próximo a um terminal Campo Limpo (se não me engano o cara é do Taboão da serra). Ficamos de nos encontrar na praça, chegando lá ele falou que estava na Av Vitor Gabriel (a rua do motel). De longe eu o avistei entre as árvores que ficam no canteiro central da avenida, ao me vê ele se aproxima e se apresenta, nossa ele era um homão da porra, não que na foto ele não aparentasse (mas as fotos que ele me enviou eram antigas, eram de quando ele era um pouco mais novo e magrinho). Ele estava todo esportista, tênis, calça e blusa de academia e justas (para mostrar os divisões). Cabelo molhado, a coisa mais linda do mundo. Ao seu lado eu era um menininho, se aquele cara me desse um abraço apertado ele me quebrava todo.


Chegamos na recepção já tinha um casal então esperamos a recepcionista-atendente despachá-los na nossa vez ele pagou e subimos (ele pagou por três horas, logo pensei pra que tanto?) Subimos, não lembro o numero do quarto, só sei que era o primeiro andar e da janela dava pra ver a estrada do campo limpo. No quarto, ele colocou um filminho para esquentar as coisas e tiro a roupa (ele não curte pau, não chega nem perto, é esquisito ficar com uma pessoa assim, fica a impressão de faltar algo, mas tudo bem) Quando eu marco com algum cara pergunto logo o tamanho do pau, se for maior que 18 cm sem chance, como o dele estava na média e não era muito grosso e as fotos comprovam isso tudo bem (não é exigência, apenas conheço meus limites).


Quando o cara tirou a cueca desanimei na hora, não pelo tamanho e sim pela grossura (o pau dele era tipo esse gif acima), não tinha como aquilo entra em mim, ao tê-lo em minhas mãos era o mesmo que segurar um frasco de tênis pé (nunca na minha vida introduzi algo tão grosso em mim) era só fazer as contas e ver que não caberia, a minha vontade era de ir embora mas não falei nada, ele tava pagando, ele tentou me comer de todas as posições e nada,depois de trinta minutos intercalando entre oral e tentativa de me penetrar ele brochou, nada que eu fizesse adiantava (é constrangedor) saímos de lá com a cara lisa e na vontade, ele pediu pra tentássemos  um outro dia e seguimos por ruas diferentes. Pouco mais das dez da noite ele me manda uma mensagem e continua mandando no mês seguinte, no início respondi mas depois passei a ignorar não pela noite fracassada, ele não tem culpa mas por ter me prometido um pau que não existia, gente quando for colocar foto em um aplicativo ou enviar para alguém, que sejam fotos atuais (esse é o grande problemas dos app) se você tá acabado ou é um deus grego, ponha foto atual, do que tem medo? porque se esconde? Descobrir na hora “H” é desanimador, oh que o Tony era um gato, mas eu não procuro gato eu procuro o encaixe perfeito.

Então é isso, o meu primeiro motel foi desastroso, mas valeu a experiencia.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

UMAZINHA

< POSTAGEM ANTERIOR - PRÓXIMA POSTAGEM >

Acho que conheci o Chico dia 22 de agosto, não tenho certeza porque perdi o histórico no Scruff. O que sei é que começamos a conversar no Whatsapp no dia seguinte, era umas 10h30 da manhã e através desta fiquei sabendo que ele tem 1,75 de altura, 70 kg e que já foi casado 3 vezes (entende-se morar junto) os caras tinham entre 28 e 25 anos e que duraram 8-4-3 anos respectivamente. O que não contei é que ele é um negão, piauiense atualmente reside em Itapecerica da serra (aqui perto) Não recordo da sua idade (algo entre 48 e 50 anos), o que recordo são seus 17 cm (como esquecer essas coisas?). Neste mesmo dia eu também estava trocando mensagens com o Erick. É comum deixar de sair com um cara porque coincide de outro caras ter te chamado pra sair no mesmo dia, o que fazer? simples, fica teclando com os dois até porque a maioria marca e na hora “H” arruma uma desculpa, o que topar primeiro você aceita (as vezes esse tiro sai pela culatra) e foi o que fiz, fiquei teclando com os dois, o Chico queria às 14h0, já o Erick às 17H00 (EU PODERIA TER SAÍDO COM OS DOIS) sim, poderia, mas como sou preguiçoso escolhi o mais cedo. Tomei banho e fui.


Cheguei no Terminal por volta das 14h00, trocamos mensagens e nada do “azulzinho chegar” (os ônibus intermunicipais são azul) e como estava ficando tarde decidimos remarcar para a sexta feira, não curti a ideia mas aceitei, como ainda era 15h00 pensei; Fudeu! Era muito tarde para o Chico e muito cedo pro Erick mas mesmo assim mandei uma mensagem para o segundo, a partir dai vocês sabem o que aconteceu.


Peguei o busão e como não conheço a cidade (só tinha ido uma vez) ficou certo de descer próximo ao colégio adventista, o que não aconteceu pois como o busão estava demorando tive que pegar outro (deveria descer na R. Henrique Soter e caminhar pela Av. Eduardo Roberto, só que fiz o contrário, desci na R. Felipe Calieira, subi a XV de novembro, entrei na são paulo e desci toda a Maj. Manuel Francisco… Caminhei até cansar, o que a gente não faz por um pau! Chegando no local lhe enviei uma mensagem e tão logo ouvi alguém me chamando (chamando o pedro no caso) não passo o meu verdadeiro nome no primeiro encontro… Não dei bola, nem olhei (ao chegar tinha notado uma figura estranha nas redondezas, não dei bola, não poderia ser o Chico) Sim, era o chico! Ele se aproximou, apresentou-se e fomo pra sua casa. Ai caiu a ficha dele nunca enviar foto de perfil (a foto do perfil era uma paisagem com ele quase invisível) apesar da idade ele está um tanto quanto acabado pelo tempo, ele estava de boné mas dava pra ver que o cabelo estava um pouco grande e descuidado, sem contar outras coisinha que não citarei aqui, não é o tipo de homem que eu olharia na rua mas já que estava ali, vamos ver em que dá.


Caminhamos uns dez minutos, ele mora próximo ao Almoxarifado da prefeitura. Conversa vai, conversa vem ele me contou sobre a sua vida, seus casamentos, família ou seja ele abriu o coração. Se a princípio não o tinha curtido agora já o viu de forma diferente, sempre muito prestativo e atencioso conversamos por horas e finalmente fomo pra cama (não o beijei) brincamos um pouco e finalmente ele me comeu (foram poucas posições) não hora do sexo ele me chamou pelo nome do seu ex, ignorei e fiz de conta que não tinha acontecido. Ele tem um pau legal, esse tipo de pau fino na cabeça e grosso na base, uma delícia (não o aguentei inteiro) No final a camisinha estourou e a brincadeira acabou, tomei banho e ele foi me levar no ponto de ônibus, sempre atencioso perguntou se eu tinha o dinheiro da passagem e tudo, entrei no busão e depois daquele 25-08 nunca mais o vi. Depois daquele dia ele me convidou para o visitá algumas vezes, tive de dizer que não pois estava passando por um momento difícil na minha vida (contarei futuramente)


Eu sou o Pedro que não se chama Pedro, e esse foi mais um “OGM
Toda semana pela manhã, ou assim que possível
E nunca se esqueça; a gente se vê por aqui.

CURTO GORDINHO

< POSTAGEM ANTERIOR - PRÓXIMA POSTAGEM > Foto ilustrativa É domingão e hoje é dia de #LevarPiroca, pelo menos esse é o pretend...